O que um bom site precisa ter? Evite erros comuns!

Quantas vezes você desistiu de uma marca ou produto porque o site demorou para carregar ou as informações pareciam desatualizadas?

Um bom site é um canal fundamental que dá credibilidade às empresas e serviços. Ele funciona como uma vitrine que mostrará seus produtos/serviços, mas pode ir além. Pode falar da história da sua marca, oferecer atendimento aos seus clientes, etc.

Hoje, trouxemos para você uma entrevista com o Guilherme Moreno, nosso diretor de operação. Há mais de 20 anos inserido neste mercado, ele acompanhou as principais evoluções tecnológicas e como elas impactaram – e continuam impactando – a forma de produzir e consumir um site.  E, claro, o objetivo da entrevista é trazer pontos relevantes para ajudá-lo na tomada de decisão na hora de propor uma mudança significativa no site da sua empresa. Tomar decisões embasadas e com planejamento é fundamental para que sua empresa tenha um site de respeito!

Vamos lá?

A evolução não para! Qual mudança você considera mais impactante para os site?

Nós sempre trabalhamos com tecnologias. Lá atrás, fizemos intranet corporativa, site de rádio, portal institucional… Na época, tudo era um experimento para que os clientes percebessem o grande potencial da internet. Coisas que hoje são cotidianas há dez, vinte anos estavam começando e muitos nem entendiam a importância de ter uma presença digital.

O que mais impactou nesses anos foi, sem dúvida, o avanço do mobile. O acesso no celular se tornou uma prioridade. No começo isso nem passava pela nossa cabeça. O desktop era rei! Ter tudo na palma da mão não é mais um diferencial, é uma realidade, uma necessidade! E isso teve um impacto absurdo, mudou nossas estratégias em todos os sentidos. Afinal, mais que uma mudança técnica, é uma mudança comportamental. Ninguém espera chegar em casa para acessar um site – como era antigamente – o consumidor quer tudo ao alcance da mão, no celular.

A gente tenta convencer os clientes dessa importância, da importância do canal, da mudança do consumidor. Mas ainda existem empresas correndo atrás disso.

Muitos clientes nos procuram para se atualizar nessa nova era mobile…  Tem alguma dúvida ou erros recorrentes quando eles te procuram para falar sobre sites?

Antes as pessoas colocavam o site no ar e se esqueciam dele. O site estava disponível? Ótimo! Ele era tratado como um catálogo ou uma lista telefônica, mas hoje não funciona assim. É preciso ter um objetivo claro do que quer com esse canal: seja venda, institucional, reconhecimento de marca…

Temos diferentes abordagens, mas depende do objetivo do cliente. Quanto mais claro for esse objetivo, mais facilmente conseguimos ser assertivos e o envolvimento da equipe e do cliente no desenrolar do projeto é fundamental!

Outro ponto é: se o consumidor tiver que parar e pensar sobre o que o seu site fala, você já perdeu esse clique e essa oportunidade de se relacionar, de vender.

Pular para o próximo site é tão fácil quanto pular uma música que você não gostou no Spotify. Por isso temos que mostrar rapidamente as informações que o seu público quer saber. Os chatbots, por exemplo, ajudam muito para poupar o tempo do visitante, agradá-lo com uma informação bem concisa e rápida. De fato, ser útil! Quanto mais rápido, melhor a imagem da empresa e o uso que ela faz das ferramentas.

É mais fácil começar o projeto de um site do zero ou adaptar um site que já existe?

Depende muito de cada caso. Se a pessoa não tem um site com uma base boa, dificilmente conseguimos atualizar. As tecnologias mudam muito e se no site não foi feito um trabalho de manutenção de longo prazo, fica difícil dar uma “arrumadinha” sem parecer um puxadinho mal feito, com problemas de segurança e navegação.

O Google e a Apple, como lançadores de tecnologias, “forçam” que a gente esteja sempre atualizando as ferramentas dentro dos sites, para que o site não seja penalizado nas buscas ou no desempenho. Elas dão essa “forçada” para o mercado se atualizar e acompanhar o desenvolvimento. Não vai adiantar ter um celular de última geração se o site não acompanha essas novidades, né?

Com essa experiência, para você, qual o papel do site hoje e o que um bom site deve priorizar?

Hoje os sites não têm mais a sobrevida que tinham. Eles não duram mais dez anos e exigem uma manutenção contínua. As pessoas não voltarão ao seu site se não o acharem interessante. O que quero dizer é que não adianta o site ficar lindo e não ser útil!  Se os clientes não tiverem informações de forma rápida ele não volta. Resumindo, o bom site precisa ser útil e transmitir informações de forma rápida.

A questão estética também evoluiu, antes a gente utilizava muitos elementos, animações, fotos… Hoje a gente prefere deixar o design mais limpo e para valorizar e priorizar a navegação mobile e a experiência do usuário. Mobile first! Não adianta ter um site fantástico para o desktop se ele não é eficiente nos celulares. O Google está exigindo cada vez mais que os sites tenham boa performance, rapidez de carregamento, retorno da hospedagem… Então, isso também é prioridade!